Você Sabe Qual a Relação do Paracetamol com a Asma das Crianças Descubra

Qual é atitude mais comum das mulheres que vão ser mamães e sentem dores nas costas ou de cabeça? Sim, tomar um comprimido analgésico para aliviar essa dor, uma substância que não traga risco o para a gravidez, talvez o paracetamol. E qual é a reação dos pais quando uma criança pequena reclama de dor? Um comprimidinho ou gotinhas de analgésico infantil e o mesmo para quando elas têm febre. Porém, nem sempre essa atitude realmente é o melhor para essas pessoas.

Os perigos do paracetamol

Antes de ser lançado o programa dos medicamentos genéricos, eram poucas as pessoas que prestavam atenção na substância de cada medicamento que compravam. Com a redução dos preços dos medicamentos que traziam apenas o nome da substância e não a marca de um laboratório, a população começou a observar o nome real do medicamento, e assim, pode perceber que grande parte dos remédios é na verdade composto da mesma substância. O desafio, agora, é conhecer cada uma delas e seu efeito no organismo, a fim de evitar problemas de saúde, como no caso do paracetamol.

Essa substância é muito utilizada por mulheres grávidas e mães de bebês para o alívio de sintomas e tratamento de doenças. Porém, apesar de ser receitada pelos médicos e utilizada de maneira autônoma por algumas pessoas, o que não é falado para elas é que o paracetamol está relacionado aos casos de asma entre crianças de 3 a 7 anos de idade.

Pesquisadores da Universidade de Bristol e da Universidade de Oslo descobriram que as mulheres que usaram o paracetamol durante a gestação tiveram filhos que desenvolveram asma aos 3 anos de idade ou aos sete, numa porcentagem de 13 e 27 respectivamente. Já os bebês que foram medicados com essa mesma substância também apresentaram a chance de desenvolver asmas entre 3 e 7 anos de idade.

Segundo os especialistas o motivo que pode levar o paracetamol a oferecer riscos de crianças entre 3 e 7 anos a desenvolverem asma em função do uso da substância por elas ou suas mães, se deve ao fato de que essa substância induza ao estresse oxidativo, quando os radicais livres podem fazer com que o organismo responda a eles com uma reação alérgica, nesse caso, a asma.

Assunto de interesse público

Como agora temos um pouco mais de conhecimento e instrução a cerca das substâncias que estão presentes nos medicamentos, através da lei do genérico, é interessante sempre observar a substância presente no medicamento que está sendo indicado ou que compramos para nós e nossos filhos.

As mulheres grávidas e mães de crianças pequenas devem estrar ainda mais atentas para evitar o uso do paracetamol a fim de que seus filhos não venham sofrer com esse problema. A substituição da substância por outra de menos risco, mas que possua os mesmos efeitos no organismo é o ideal para evitar os riscos que o paracetamol oferece.

Notícia de última hora!

Além do paracetamol os cientistas ainda estudam a relação do ibuprofeno também com a asma, porque o uso do mesmo na gravidez poderia estar relacionado aos casos de asma na faixa dos 3 anos de idade. Mas, os estudos mostram que na fixa dos 7 anos de idade as chances de desenvolver asma desaparecem.

SHARE

NO COMMENTS